Dize-me o que comes e te direi quem és

Dize-me o que comes e te direi quem és“Dize-me o que comes e te direi quem és”

É com essa frase intrigante de Savarin (um advogado e cozinheiro francês) que quero começar minha participação aqui no Blog do Guia.

Vamos unir o alimento à comida, uma das necessidades básicas ao ser humano, com um hábito enraizado em nossa existência. Calma, volta, releia essas duas palavras e pense.

Alimentar-se é uma necessidade fisiológica que temos, dar ao nosso organismo os nutrientes necessários para a sobrevivência, mas já estamos carecas de saber que não comemos apenas quando estamos com fome. Viu só, já mudei a palavra. Comer é um hábito e é nesse momento que começa a parte que eu mais gosto, aí onde a psicologia entra.

 Você já se deu conta da forma que tudo aquilo que ingere tem uma grande relação emocional e cultural?

Sobre a cultura acredito que já tenha se deparado com a influencia que ela exerce sobre nosso paladar e com certeza alguém da gastronomia pode falar de uma forma mais correta e interessante para vocês.  O que desejo aqui é te ajudar a ter consciência sobre a relação emocional que você tem com o alimento e assim podemos entrar em vários aspectos como, por exemplo, a fome emocional, o desejo de determinado alimento, anorexia, bulimia, aquela comida que te lembra de alguém.

Mas quero trazer algo que me parece ainda mais interessante e diferente, já ouviu a palavra COMENSALIDADE?

Se não, posso dizer com certeza que você já vivenciou mesmo sem saber.

Comensalidade é a relação social que a comida traz, aí voltamos lá na frase que escolhi como titulo dessa matéria: ‘’Dize-me o que comes e te direi quem és’’. Calma, isso não é um julgamento. Estamos aqui falando sobre o ato de comer, o que ele representa para você, com quem divide esse momento, de que forma o faz, pois isso tudo tem diferença no momento que você julga uma comida boa ou não, tem muito da sua personalidade aí.

Quem aqui nunca chamou um amigo para ir comer, somente porque queria a companhia? Ou melhor ainda, já foi convidado para algo e a primeira pergunta que lhe veio foi: “Vai ter comida?”. Já foi conquistado pela barriga?

E agora eu te pergunto, dentro destas situações, qual você estava com fome?

A sua vida provavelmente está rodeada de fome emocional, bons momentos surgem da comensalidade, mas também problemas aparecem pelo mesmo motivo. O que quero deixar para vocês é que aproveitem cada alimento da melhor forma possível, afinal a boca foi feita “pà cumê” (como já falou a Letícia), aproveitem a companhia e não se esqueçam de que cada acontecimento ou área da sua vida afeta direta ou indiretamente na forma que você escolhe se alimentar.

                          “Não substitua a comida por outros vícios e compulsões, aprenda maneiras eficazes de lidar com as emoções negativas. Afinal, a alma se alimenta de novas experiências e novos desafios, esse é o prato principal!”

Ah, e chamem o Guia para comer!

Amamos partilhar momentos de comensalidade!!

Leave your reply

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.